CoisasSódaMãe – Uma semana DAQUELAS que só as mamães entendem como são!

Minha semana passada começou com Juju inaugurando o domingo com 39o C de febre, assim, do nada no meio da madrugada. Tem coisa mais doída pra uma mãe que ver sua pequena ardendo de febre no seu colo no meio da noite sem se saber qual o motivo? E foi um domingo inteiro de febre alta – o dia em que teria sido o dia da primeira festa de um amiguinho da escolinha em que Juju iria – esperando as coisas aparecerem para ir no médico. Segunda de manhã fomos nós ver o pediatra! E quarta de madrugada pro PS. E sexta de manhã de novo no consultório…

Uma irritação na garganta que ainda não “merecia” remédio.
E espera para ver se anda ou desanda.
E será que manda pra escolinha, se é “só” uma irritação com uma febre?
Não manda, fica em casa.
Ah! Manda hoje, tá boa.
Não manda de manhã, deixa a febre passar e depois pode ir a tarde, porque apesar da febre, a disposição tá a mil, de sobra… Vai ficar em casa vendo televisão para que, se tem os amigos para brincar?
E a febre que pára dois dias e volta firme depois?
E a garganta que na hora que parece que sarou, vem as tais vias aéreas superiores que dão de danar de vez, com coriza, entupimento e tosse?
E o antialérgico “dasTadina” da vida que tiram o apetite da menininha???
Ahhhhhh!!!

Bão, esse foi o tom da semana em que o inverno adiantou as caras com frio antecipado estourando nas paradas e deixando a criançada tudo de molho. E eu que estava me achando “A Precavida”, pois tinha marcado o homeopata com antecedência pra começar a cuidar das coisas antes que elas pensassem em aparecer nesse Inverno. A tal consulta era para o dia 16. E elas apareceram todas com uma semana de antecedência.

Bão no meio dessa semana-salada deu pra mãe também ir no médico, ir no Sebrae, organizar contrato, fechar o projeto de um primeiro livro tão esperado dentro da área que passou a empreender (muita alegria!) e dividir a alegria, pesquisar referência pro novo trabalho, responder novo pedido de orçamento, retomar contato profissional importante, fazer supermercado, me inscrever para palestra da Ciranda, responder a alguns e-mails…

Mas não deu para agradecer ainda os comentários de alegria compartilhada pelo novo trabalho fechado (eu gosto de responder individualmente cada msg), entregar o CD para sobrinha, responder mensagens, terminar de responder mensagens que parei de escrever no meio… e tudo começa amanhã de novo.

Nesses dias dou graças a Deus e a todos os Santos por ter um marido que aguentou as pontas e que me apoiou na decisão de parar com a vida profissional CLTezada, CarteirizadaAssinalada e Assalariada para tentar fazer algo solo na vida profissional e poder numa semana dessas estar inteira acompanhando as dores da filhota. E priorizando as coisas como são em sua ordem de importância na vida, e sofrendo menos com as ansiedades de todas as esperas decorrentes desses processos todos. Imagino viver tudo isso com hora para entrar, cumprir e sair do trabalho (com a cabeça na filha dodói), arrumando lugar que não existe pra deixar Juju doente que não pode ir naquele dia pra escolinha – porque aqui não tem casa de vovó nem titia – e estar inteira, criativa, produtiva e sorridente depois de chegar do pronto-socorro pediátrico as 5 da manha de uma quarta-feira ou de não dormir noites inteiras com menininha dorme-acorda febril sem parar.

E meus sinceros e imensos respeitos e admiração as mulheres que passam por semanas como essas entrando, cumprindo e saindo dos seus trabalhos onde labutam inteiras, criativas, produtivas e sorridentes depois de deixarem seus pequenos onde lhe é possível numa hora dessas, mesmo depois de noites sem dormir passadas nos PS da vida ou na cabeceira das camas dos filhos. Conheci muitas! Tenho uma, a mais próxima de todas, minha irmã amada, que dá conta desse recado todo, com DOIS ao mesmo tempo.

Mulheres, hoje as tenho numa conta de apreçamento que não fecha.

Anúncios

  1. Muito bom!!! Você se vira nos trinta! Sempre fazendo o melhor e se dedicando… Da mesma forma que nós “mães” somos assim, como você descreveu, infelizmente existem “mães” que simplesmente não estão nem aí para seus pequenos… Me dói ver algumas crianças carentes de mãe, sendo que as tem… Essas mulheres que largam as crianças e se esquecem de buscar, esquecem de ligar, esquecem… simplesmente esquecem… ou não querem lembrar! Sei lá oque se passa… não dá pra entender, mas existe!!!

    • Oi Letícia! Seja bem vinda ao blog, muito obrigada pela visita, adorei!
      A gente se vira como dá, né?! Qdo um filho nasce a gente e nosso coração se desdobram e um pedacinho literalmente desprendido nosso fica por aí, passeando mundo afora levando junto os nossos pensamentos e preocupações, deixando a gente meio maluca, com crise de identidade, rsrsrs… Mas a gente dá conta, ah, se dá!
      E sim, infelizmente há aquelas que se tornam mães, mas que parecem não se dão muito conta do que tem de responsabilidade e das consequências que sua falta de cuidado tem sobre a vida dos seus pequenos, em todos os aspectos. Por isso tanta gente “despejada” no mundo… Por isso que eu acho que pra fazer filho tem que querer muuuuuuuito, se não quer, não faz, por favor, né?!
      Beijo grande e volte sempre por aqui!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s