CoisasSódeJuju (texto do livro) – Era uma vez uma Princesa Júlia aos 2 anos

Um registro feito para gente não se esquecer nunca desse tempo verdadeiramente encantado ao lado da nossa menininha.

CoisasSódaPrincesaJúliaaos 2 anos

Aos dois anos nossa princesinha fala um monte de coisas. Adquirem às vezes significados próprios que ela atribui ao objeto/coisa/bicho indicado, sons adaptados, deliciosos foneminhas feitos palavras lindas de se ouvir. Algumas delas para gente nunca esquecer: papai, mamãe, úa (lua), au-au, pipiu (qualquer passarinho), gatuuuu, minina, caja (casa), poste, mão, pé, sapatu, pitá (pintar), papal (borboleta), péd (IPad), papá, mamá, naná, paxeá (passear), auá (água), pixi (peixe), anim (joaninha), cocó, boi, kuko (suco), aô (alô), sissi (xixi), cocô, bola, biga (bexiga), pia (banheira, piscina, bacia ou qualquer coisa que junte água)… E repete coisas escutadas juntas como “sapato-no-pé”, que mamãe ensinou e “papai-do-céu”, que ouviu mamãe falar e desandou lindamente repetir quando lhe dá na telha. E canta “palma-palma-palma, pé-pé-pé, roda-roda-roda, caranguejo peixe é!” e “boi-boi-boi, boi da cara preta…”, dançando roda e fazendo folia. Vemos um repertório formado por aquelas coisas que em seu mundo mais lhe interessam, despertam e lhe são importantes. Uma delícia de ouvir e ver evoluir mais e mais dia-a-dia!

Uma coisa que realmente ela adora são bolas, ora bolas, quaisquer que sejam as bolas. Todas as bolas. Grandes,  pequenas, de plástico, de madeira, coloridas, transparentes, de jogar, de arremessar, de chutar, para sentar, bola do gato, bola do vizinho, bola do gato do vizinho. E coisas meio vazias, ou meio cheias, se preferir, como a lua, estando nos outros estados além da cheia – indicada pelo dedinho curioso apontando o céu tão logo a aviste – em sua percepção também são bolas. Bolas, bolas, bolas. Adora ver a gente assoprar e encher bexigas (as “bigas”, em julianês). Empunha a “biga” vazia, pedindo “enche, enche”, e junto se enche de alegria.

Adora brincar com o IPad. “Muderna”, conectada e assustadoramente familiarizada com o “brinquedo”, monta quebra-cabeças, encaixa formas, faz surgir coisas mágicas, pula, ri e dança com Pocoyo&Cia, ao toque dos dedinhos ágeis e olhinhos atentos. A qualquer hora, ofereça-se o tal Pad a ela, e tudo pára, sem demora.

Outra coisa que entra na lista do que Juju mais adora é “paxeá”. Seja rua acima ou abaixo, a pé ou de motoca, seja de carrinho ou carrão, hora que seja, hora que for. Para o “pàqui” (Parque Taquaral), o “shópin” (Shoppings), o “séqui” (SESC), a Casa do Lago aos domingos ou no Mall, onde todos – indo do mercado até na padaria –  já conhecem Dona Princesa Júlia. Pára de fazer ou de reclamar de qualquer coisa no mundo se ouve a palavrinha mágica: PASSEAR! Em dois segundos a partir de qualquer ponto da casa onde esteja, corre e se coloca a postos em frente à porta esperando a magia de vê-la se abrir e revelar o mundo que vai ver “paxeando” lá fora.

Entre os brinquedos preferidos há seus Au-Aus de pelúcia, devidamente amarrados em suas coleiras improvisadas. Volta e meia os leva para passear pela casa, segurando um pendurado em cada mãozinha, quase enforcados e sufocados de tanto bem-querer. Tem a sua Minhoca Azul, que adora empurrar pelo chão do mundo, com a girafinha Sofia montada sobre ela. E também seus carrinhos de empurrar. Adora ser empurrada na motoca lá fora pela mamãe ou pelo papai, rua acima ou abaixo. Adora brincar de amassar massinha, e esparramar tudo pelo chão. Adora “pitá” (pintar), tinta e canetinha são seus materiais preferidos para fazer “árti” (arte). Adora cavalgar para lá e para cá em seu “vavalo de pau”. E como gosta de seus bichinhos todos de brincar! Adora empilhar seus blocos coloridos de madeira e fica enfezada de verdade quando eles teimam em cair, e ali derramados, desfazem seus castelos tão cuidadosamente projetados e executados peça a peça. E para finalizar a sessão brinquedos, adora virar de uma vez a cesta com todos eles no chão, de uma vez, tchumbum! Mas atende a gente quando convidada a “Guardar, guardar, guardar tudo direitinho…”, uma princesa essa menininha!

Os livrinhos com cartelinhas de colar adesivos nos espaços indicados são uma festa, e os de história já são lidos para Júlia antes de dormir. Devidamente acomodada entre as pernas da mamãe na cama, os eleitos da vez são “Os três porquinhos”, onde o ponto alto é a hora de bater nas portas, assoprar e derrubar as casas. “Quem é o Boi-Bumbá”, que acaba feliz com a música do Boi da Cara Preta. E a história do carrinho corredor “Arteiro”, narrada e vivida com emoção de corrida de Fórmula 1 – Vaaaaaai Arteiro!

Adora assistir as aventuras de seu amigo Pingu – que segue firme na sua preferência desde sempre. Pular que nem pipoca com o Pocoyo, Elly, Pato, Loula, Sonequita e o Octus. Salvar os animais do mundo de encrencas diversas com os SuperFofos. Ver o Pluto, em sua eterna aventura com a abelhinha e os chicletes de bola. Assistir aos vídeos sobre qualquer bicho – seja das séries Bebê Mais, Baby Einstein, Galinha Pintadinda, Vida de Galinha ou Quarto da Blue – e do Palavra Cantada. Curte o Jelly Jamm, os Backyardgans, o Peixonauta e os Mecanimais.

Adora ir com o papai a padaria pela manhã comprar e comer pão de queijo. Da lista gulodices, adora a batata do McDonald’s. Adora o “kukin” nada natural da caixinha. Adora o “bicoto” Calipso, de onde claro, só come o chocolate. E começa a adorar chocolate em todas as suas outras formas, agora que apresentamos o tal moço irresistível, que com certeza se tornará paixão eterna.

Pouco independente, ainda não come sozinha – deixa vir a próxima reunião da escola para mamãe levar bronca da professora de novo! Afinal, Sua Alteza Dona Júlia Princesa tem papai e mamãe às ordens para empunhar garfos, colheres e comidas – culpados, culpados, culpados, deixem a menininha crescer! Mas quando interessa, já toma seu “gugute” sozinha e garfa seus pedaços de morango numa boa. Ainda toma leite só “turbinado” com um pote de iogurte, recusando qualquer outra mistura. Adora morangos, manga, biscoitos de polvilho, gelatina, iogurtes, cáne (carne), sucos, sucos e mais sucos. Passou uma fase só no macarrão, e tem dias que recusa tudo, só quer cáne – desespero da mamãe! E por agora, abandonou o kiwi e a uva: adorados antes, hoje estão relegados ao limbo da fruteira. Uma montanha russa o paladar atual da princesinha.

Fica linda com seus vestidinhos (o de tenista “patricinha” que o papai escolheu é o campeão), conjuntinhos e presilhinhas combinando. Já ensaia passear toda pomposa de bolsa. Ainda usa os bodys de nenê e calças com bumbum de babadinho, que já já não lhe servirão mais. Tem um tênis lindo rosa de bolinhas brancas que fica uma graça e não gosta de chinelos. Reclama adoidado para trocar fralda e faz charme para colocar roupa.

Adora tomar banho na “pia” (banheira, piscina ou bacia), seja ela qual e de que tamanho for. E no banho adora pintar as paredes, brincar mais um pouco com os quebra-cabeças e coisas de encher, e sai brava, sob protestos, porque não queria que a festa no banheiro acabasse (e haja água do planeta para gastar!).

Ao chegar para as horas de “estudo” que vai passar na Floresta entre as 14h até as 18h, pula feliz para o colo de quem quer que a tenha vindo buscar. Antes nem olhava para trás, mas ultimamente se despede: “- Tchau mamãe, tô feliz, aqui é bom demais, preocupa não…” Na hora de voltar para casa, nos presenteia com o sorriso mais lindo do mundo ao nos ver no portão da escola. E ganha um copão de sucão de presente, todos os dias nessa hora. Completaram-se seis meses de ida pra escolinha justamente agora, e para nossa alegria e alívio, fechou-se um ciclo onde a cada semana aparecia com um dodói “brabo” que endoidava a gente: uma alergia aqui ou acolá, uma inflamação, uma infecção, uma tosse que não acabava, uma febre. Ufa, aguenta coração de mamãe e papai!

Tem ouvido supersônico para escutar papai chegar onde estiver. Seja o barulho do carro lá fora, estando na sala ou na cozinha. Seja o barulho dos portões de segurança da escada, se estiver nos quartos. Logo diz e aponta em direção à porta, com um brilho único nos olhinhos: Papai! E é tamanha essa alegria ao receber o querido papai, que consegue emocionar a gente todos os dias, como se fosse a primeira vez.

Para finalizar esse registro, uma coisa muito importante que Juju e mamãe juntas fazem todos os dias. Não tem conversa, não tem tempo ruim, não tem jeito. Temos a hora boa de parar tuuudo, acalmar, aconchegar e Juju mamar no peito. Ainda sim, sim, sim, Juju mama no peito da mamãe aos dois anos.

E  nossas vidas seguem por hora assim, até ela fazer dois anos e mais alguns dias, porque a cada momento surgem novidades, novos gostos, palavras, vontades, preferências, coisas aprendidas e vividas. E em qualquer um desses tempos, independentes dos meses ou dos dias, nossa Princesa Júlia nos enche de uma imensa e indescritível alegria.

Agora aos dois anos, tudo que faz nos assombra – pela velocidade como cresce, evolui, muda, aprende, assimila, se expressa – novatos que somos nessa experiência fantástica que é a de ver e acompanhar um filho crescer.  Experiência que nos ensina de verdade o que é amor, cada vez mais, forte, intenso, imenso, sem explicação.

Muito obrigada, princesa Júlia, por nos proporcionar tudo isso.

Papai-do-Céu! Como nós amamos você!

Papai Rodolfo e Mamãe Juliana/ Outubro de 2012

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s